Bitcoins e o último ataque do Wanna Cry

Você sabia que os ataques Ransomwares são feitos por uma moeda diferenciada? E que esses ataques têm sido constantes? Saiba mais em nosso artigo!

 

O QUE É BITCOIN?

Assim como o real ou o dólar, bitcoin é uma moeda. Entretanto funciona a partir de um sistema  diferente dos exemplos citados. Primeiramente porque não é possível encontrá-la em algum lugar físico, pois ela é totalmente virtual.

E diferente das demais moedas, a sua emissão não é controlada por um Banco Central e é feita de forma descentralizada por milhares de computadores, mantidos por pessoas que “emprestam” a capacidade de suas máquinas para criar bitcoins e registrar todas as transações feitas.

Na elaboração de uma bitcoin (processo conhecido como “mineração”), os computadores conectados à rede competem entre si na resolução de problemas matemáticos. Quem ganha, recebe um bloco da moeda.

Em 2009, quando a moeda foi criada, qualquer pessoa com o software poderia “minerar”, desde que estivesse disposta a deixar o computador ligado por dias e noites. No entanto, com o aumento de interessados, a fabricação de bitcoins ficou apenas com quem tinha supermáquinas.

É possível adquirir bitcoins comprando unidades em casas de câmbio específicas ou aceitando a criptmoeda ao vender coisas. As moedas virtuais são guardadas em uma espécie de carteira, criada quando o usuário se cadastra no software.

Com bitcoins, é possível contratar serviços ou adquirir coisas no mundo todo. É pequeno o número de empresas que aceitam, mas em vários países como a Rússia, há movimentos no sentido de “regular” a moeda.

 

Wanna cry

AUTORES DO WANNA CRY SACAM SUAS BITCOINS, ATAQUE RENDEU R$ 460 MIL.

 

Não se sabe ainda com exatidão a autoria do mega ataque Wanna Cry, que assustou o mundo em maio desde ano. A única certeza é que o ataque deu resultado. Os responsáveis receberam pouco mais de 61,6 bitcoins em resgastes que, ao que tudo indica, finalmente foram sacadas. Na atual cotação da criptomoeda, esse valor corresponde aproximadamente US$ 148 mil, ou 461.

A jornalista do site Quartz, Keith Collins, afirma que no dia 3 de agosto de 2017, foi realizado um total de site transferências nas três carteiras de Bitcoins associadas ao Wanna Cry para esvaziá-las. Ele havia preparado um robô no Twitter que monitorava todas as atividades das carteiras ligadas ao ataque.

Na época do ataque, as primeiras estimativas apontavam para um total arrecadado de U$ 70 mil.

Com o passar dos meses, a movimentação inesperada do WannaCry diminuiu, mas as infecções continuaram acontecendo em menor escala, e os pagamentos continuaram.

No entanto, é difícil indicar, qual é o destino das bitcoins após a transferência. Uma olhada rápida mostra que o dinheiro começou a ser distribuído por várias outras carteiras.

Porém, todas as transações com bitcoins são rastreáveis, o que significa que, se os cibercriminosos tentassem sacá-las de modo convencional, eles seriam rapidamente identificados.

Ou seja, para manter o anonimato da transação, seria necessário passar o dinheiro por um “misturador de bitcoins”, que limpa os blockchains associados com o malware. Isto é, a famosa lavagem de dinheiro.

Para que esse tipo de situação não venha acontecer com nossos clientes, a EW Info oferece soluções em segurança e diagnóstico das redes de sua empresa. Visando a proteção contra qualquer tipo de malware.

Fonte: OLHAR DIGITAL

Gostou do artigo? Continue acompanhando a nossa página!

Antivirus , Segurança de Redes , Serviços em TI , Soluções em Cloud , Suporte Redes , Tecnologia # , , , , , , , ,
Compartilhar:
Matérias recentes

Inscreva-se e receba novidades e soluções
de redes ou sistema para sua empresa

Soluções

Entre em contato com a EW Info